Eisner Awards 2016 – Artistas Brasileiros Ganham o “Oscar dos Quadrinhos”

Durante a Comic Con San Diego também acontece a entrega dos prêmios do Eisner Awards, que é a maior premiação do mercado de HQs internacional e também considerada por muitos uma espécie de “Oscar dos quadrinhos”. São diversas categorias onde concorrem profissionais e obras do mundo todo e, para o nosso orgulho, dois artistas brasileiros foram premiados esse ano. Fábio Moon e Gabriel Bá fizeram o roteiro e a arte da adaptação do romance Dois Irmãos, de Milton Hatoum, levando assim o prêmio de melhor adaptação de uma outra mídia.

E para quem curte quadrinhos mais convencionais, destaque para Sandman Gallery Edition (Melhor design de publicação), Silver Surfer #11: “Never After” de Dan Slott e Michael Allred (Melhor história/edição única). Além de outros profissionais premiados que trabalham na Marvel e na Image.

11159955_821780327906738_1131723142565143256_n

Fabio Moon e Gabriel Bá durante o lançamento de Dois Irmãos.

Na sinopse da obra vencedora dos brasileiros:

Um dos livros mais importantes da literatura brasileira contemporânea, Dois irmãos vem, desde seu lançamento há quinze anos, conquistando novas gerações de leitores. E foi com o mesmo entusiasmo desses leitores que Fábio Moon e Gabriel Bá embarcaram na missão de adaptar o romance de Milton Hatoum para uma graphic novel. Os irmãos quadrinistas vêm igualmente arrebatando fãs e trazendo uma legião de leitores às HQs. Suas obras foram publicadas em diversos países, atravessando fronteiras culturais e políticas. Preservando a força narrativa de Hatoum, esta adaptação evidencia o talento de Bá e Moon na construção de histórias que alternam entre a tragédia, a delicadeza, a brutalidade e o humor.

capairmaos3

Página retirada de Dois Irmãos

.

Além dos brasileiros outros inúmeros prêmios foram distribuídos. Confira a lista completa de vencedores abaixo:

Melhor história curta

  • “Killing and Dying”, de Adrian Tomine, em Optic Nerve #14 (Drawn & Quarterly)

Melhor história/edição única

  • Silver Surfer #11: “Never After”, de Dan Slott e Michael Allred (Marvel)

Melhor série

  • Southern Bastards, de Jason Aaron e Jason Latour (Image)

Melhor minissérie

  • The Fade Out, de Ed Brubaker e Sean Phillips (Image)

Melhor série estreante

  • Paper Girls, de Brian K. Vaughan e Cliff Chiang (Image)

Melhor publicação infantil (para crianças de até oito anos)

  • Little Robot, de Ben Hatke (First Second)

Melhor publicação infantil (de 9 a 12 anos)

  • Over the Garden Wall, de Pat McHale e Jim Campbell (BOOM! Studios/KaBOOM!)

Melhor publicação juvenil (13 a 17 anos)

  • SuperMutant Magic Academy, de Jillian Tamaki (Drawn & Quarterly)

Melhor publicação de humor

  • Step Aside, Pops: A Hark! A Vagrant Collection, de Kate Beaton (Drawn & Quarterly)

Melhor HQ digital ou webcomic

  • Bandette, de Paul Tobin e Colleen Coover (Monkeybrain/comiXology)

Melhor antologia

  • Drawn & Quarterly, Twenty-Five Years of Contemporary, Cartooning, Comics, and Graphic Novels, editado por Tom Devlin (Drawn & Quarterly)

Melhor não-ficção

  • March: Book Two, de John Lewis, Andrew Aydin e Nate Powell (Top Shelf/IDW)

Melhor álbum gráfico (inédito)

  • Ruins, de Peter Kuper (SelfMadeHero)

Melhor álbum gráfico (republicação)

  • Nimona, de Nicole Stevenson (Harper Teen)

Melhor adaptação de outra mídia

  • Two Brothers, de Fábio Moon e Gabriel Bá (Dark Horse)

Melhor edição americana de material estrangeiro

  • The Realist, de Asaf Hanuka (BOOM! Studios/Archaia)

Melhor edição americana de material estrangeiro (asiático)

  • Showa, 1953–1989: A History of Japan, de Shigeru Mizuki (Drawn & Quarterly)

Melhor coleção de arquivo (tiras)

  • The Eternaut, de Héctor Germán Oesterheld e Francisco Solano Lòpez, editado por Gary Groth e Kristy Valenti (Fantagraphics)

Melhor coleção de arquivo (quadrinhos)

  • Walt Kelly’s Fairy Tales, editado por Craig Yoe (IDW)

Melhor roteirista

  • Jason Aaron, Southern Bastards (Image), Men of Wrath (Marvel Icon), Doctor StrangeStar WarsThor (Marvel)

Melhor roteirista/desenhista

  • Bill Griffith, Invisible Ink: My Mother’s Secret Love Affair with a Famous Cartoonist (Fantagraphics)

Melhor desenhista/arte-finalista

  • Cliff Chiang, Paper Girls (Image)

Melhor desenhista/artista multimídia (páginas internas)

  • Dustin Nguyen, Descender (Image)

Melhor capista

  • David Aja, HawkeyeKarnakScarlet Witch (Marvel)

Melhor colorista

  • Jordie Bellaire, The Autumnlands, Injection, Plutona, Pretty Deadly, The Surface, They’re Not Like Us, Zero (Image); The X-Files (IDW); The Massive (Dark Horse); MagnetoVision (Marvel)

Melhor letreirista

  • Derf Backderf, Trashed (Abrams)

Melhor veículo sobre quadrinhos

  • Hogan’s Alley, editado por Tom Heintjes (Hogan’s Alley)

Melhor livro sobre quadrinhos

  • Harvey Kurtzman: The Man Who Created Mad and Revolutionized Humor in America, de Bill Schelly (Fantagraphics)

Melhor trabalho acadêmico

  • The Blacker the Ink: Constructions of Black Identity in Comics and Sequential Art, editado por Frances Gateward e John Jennings (Rutgers)

Melhor design de publicação

  • Sandman Gallery Edition, design de Graphitti Designs e Josh Beatman/Brainchild Studios (Graphitti Designs/DC)

Melhor Comic Store

  • Orbital Comics – Londres 

Melhor novo artista 

  • Dan Mora (Klaus, Hrxed)

Outros Posts interessantes:


One Response to “Eisner Awards 2016 – Artistas Brasileiros Ganham o “Oscar dos Quadrinhos”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *