Coreana Desiste de Usar Cosplay de Overwatch Após Ser Acusada de Racismo

Quem acompanha o trabalho que a gente faz por aqui sabe o quanto valorizamos o hobby do cosplay. Temos diversas apresentações e coberturas de eventos no nosso canal do YouTube, além do Cosplay in Cast, um podcast totalmente dedicado a essa atividade. Mas existe certa camada dentro desse mundinho que é realmente algo triste de se ver.

O caso da vez agora é com a cosplayer coreana Pion Kim, que após ser chamada de racista desistiu de usar seu cosplay de Sombra, personagem do game Overwatch. Para você entender um pouco melhor essa história, Pion Kim é uma das cosplayers mais talentosas da Coréia. Por três anos ela deixou seu cabelo crescer, depois fez o corte estilo sidecut para ficar totalmente fiel a personagem. Vale lembrar que Pion inclusive doou seu cabelo cortado para uma fundação de apoio a pessoas com câncer.

.

Mas ela não parou por aí, fazendo inclusive a raspagem nas sobrancelhas semelhante à Sombra no jogo. Foi então que após confeccionar todo seu cosplay (que é simplesmente maravilhoso) e fazer uma sessão de fotos que Pion começou sentir a fúria das críticas na internet. Tudo isso porque a personagem é de nacionalidade mexicana, e quando a cosplayer usou uma maquiagem para escurecer o tom de sua pele foi acusada de fazer blackface.

Se você não sabe o que isso significa, blackface é uma prática teatral que se popularizou no século XIX onde atores brancos pintavam seus rostos com carvão para interpretar personagens negros de uma maneira extremamente exagerada. Isso porque na época a contratação de atores negros não era bem vista pelo público aristocrático que freqüentava os teatros.

Cartaz de uma peça que faz uso de blackface

.

O fato é que a cosplayer recebeu diversas críticas nas redes sociais com acusações de práticas racistas. Muitas pessoas ficaram do lado de Pion, inclusive fãs mexicanos que simplesmente adoraram o trabalho e o resultado do cosplay. Mas para evitar maiores problemas, e possivelmente após um longo desgaste emocional, a coreana anunciou que não usará mais seu cosplay de Sombra.

Agora me respondam, por favor: Existe algo mais absurdo do que isso?

Pensem comigo, Pion foi acusada por algo que praticamente nem existe mais. A prática do blackface foi banida. Hoje nós temos atores e atrizes brancos e negros de igual talento dividindo palcos e telas de cinema. Usar uma maquiagem com um propósito artístico totalmente inofensivo não pode ser caracterizado dessa maneira, claramente fora de seu contexto.

.

Existe sempre uma discussão muito presente em fóruns e grupos de debate sobre cosplay que é a ausência de personagens negros (ou latinos, ou não caucasianos, como preferir) em mídias como mangás, animes japoneses, histórias em quadrinhos e livros de fantasia em geral. Fazer um cosplay de um personagem assim deveria ser motivo de alegria por celebrar a diversidade, e não de críticas e ofensas por um sentimento de “apropriação cultural” que não tem o menor cabimento!

Fazer cosplay é brincar com a fantasia, se divertir vivendo por alguns momentos uma realidade que não a sua. Não importa se um personagem é branco, negro, latino, azul… Vale aquilo que ele representa para você. É triste ver esse tipo de coisa acontecendo ainda hoje em dia. E se você compartilha desse pensamento e acha que Pion realmente errou sendo racista talvez precise rever os seus conceitos. Basta pensar que o o hobby do cosplay por si só já sofre um certo preconceito dentro e fora do meio nerd. Se vamos nos tratar assim uns com os outros que moral teremos para bradar por respeito quando realmente formos ofendidos?

E o que dizer de nós, brasileiros, latino americanos, que fazemos cosplay de personagens asiáticos? Sendo eles um povo que sempre sofreu preconceito para com o ocidente, mas que fica feliz em ver sua cultura representada no mundo inteiro.

O hobby deveria aproximar as pessoas, e não segregar ainda mais dentro de um mundo e um tempo tão conturbado como esse em que vivemos.

Outros Posts interessantes:


22 Responses to “Coreana Desiste de Usar Cosplay de Overwatch Após Ser Acusada de Racismo

  • Thiago, isso ocorre porque muitos desses que se dizem fas e tambem os “julgadores”, fazem questão que seu cosplay seja “fiel” ao personagem. Sabe o que significa isso? Muitos cosplays tentam chegar ao tom de pele do personagem para nao sofrerem piadas racistas em eventos ou perderem pontoa em competições nas quais os juízes bem deveriam olhar o tom de pele. O cosplay era uma brincadeira bem legal de fato e eu inclusive ainda sou um, afastado do meio devido a esse ranço que tomou conta do meio. Infelizmente o mundo é assim, nao se pode mais brincar de um personagem como antigamente. Se você nao tem o tom de pele do personagem, nao esta perfeito, se nao faz o tom, rever comentarios racistas e se faz tudo ok, ainda esta errado. É um triste fato na era atual.

  • Nada está a salvo da geração mimimi de justiceiros sociais…
    Lamentável. Essa ladainha de blackface no meio cosplay não é novidade. Lembro do caso de outra excelente cosplayer que foi criticada por fazer a personagem Garnet de Steven Universe. O que esses imbecis não percebem é que a caracterização não faz qualquer demérito a raça negra, tanto no exemplo que citei como o dessa postagem, mas o problema é quando é uma PESSOA BRANCA fazendo alguma coisa que tenha relação com a etnia (vide casos da tal “apropriação cultural).

  • Muito bom o post, e eu ainda não entendi onde esse pessoal viu racismo, realmente é difícil ver que isso acontece nos dias atuais, fora que o cosplay ficou muito bom! Ah, e bela conclusão para o post =)

  • Belo texto, Thiago!

    Gostei da leitura.

  • Os asiáticos precisam parar de se importar com o que pensam os SJWs ocidentais e se preocupar em preservar o que lhes resta de melhor e que vai faltar no futuro aqui no ocidente: Competência.

  • Essa cultura do “mimimi” já deu no saco!!
    Ridícula essa postura (se é que se pode chamar assim) de politicamente “correto”.

  • É a mesma coisa que por exemplo um negro querer fazer o Rugal Bernstein ou o Vega(Bison)Kyo Kusanagi ou o Ryu, certamente ele não seria aceito e seria até motivo de piada só por conta do fator cor de pele,sei lá essas coisas tinham que parar sabe,e cada um ser livre para querer interpretar o que bem quiser sem ter pessoas tais como ela que infelizmente fiquei triste por desistir de fazer a personagem por conta de uma meia dúzia de babacas que tiram água de fogo,e fazem essas besteiras, lamentável mesmo isso .

  • Não acredito nisso, como pode ter acontecido algo desse nível!? Ó GOD!

  • bem coisa de pessoas ignorantes, que se ato fazem racismo com si mesmo, não sabem olhar para frente, só para trás infelizmente.
    o cosplay fico show, e chamar alguém de racista sem a pessoa ser deveria ou é crime também.
    vejo que quem faz isso que fizeram com essa jovem são pessoas invejosas, que não amam a si próprio e tem que sempre achar alguém para atacar.

  • Eu concordo com a conclusão, mas a argumentação é fraca e demonstra a reação clássica dos nerds a todo e qualquer debate sobre mudanças: não pode reclamar de nada, não pode questionar nada, as coisas têm que ficar do jeito que estão – e deixar as coisas do jeito que estão no “meio geek” é deixar imperar os mesmos preconceitos de sempre.

    • Thiago Almeida

      Olá, Bardo! 😀
      Na verdade não é bem assim. Aqui no site nos sempre promovemos o discurso e o debate de tudo aquilo que envolve a boa mudança no “meio nerd” como você citou. A questão aqui é que, especificamente para esse caso, entendo que a revolta e as acusações foram injustas. Não promovem nenhum tipo de debate saudável, apenas promovem reações revoltadas que geram ainda mais antipatia sobre uma causa que poderia ser melhor abordada. Mas concordo que podemos explorar muito melhor esse debate. Obrigado pelo seu feedback!

  • A parte mais hilária é, vai ter o dia que koreanos, japoneses, chineses não poderam ir na praia, pois vão correr risco de ficar bronzeados, ai vao ser acusados de blackface, e apropriação cultural hauahuahuahua

    Geração Y = Geração MIMIMI = Geração Lixo, pior que isso é saber que a aposentadoria da minha geração vai ser paga com o trabalho dos Y

  • Somente discordo de um parágrafo: O blackface foi banido, mas ele ainda existe. Temos Paulo Gustavo pintando a cara e fazendo uma empregada doméstica pobre e estereotipada. Os atores e atrizes negras de igual talento dos brancos AINDA não dividem igualmente os palcos pelo mundo a fora (quantos negros são premiados? São poucos prêmios não por falta de talento, mas por falta de indicação).
    O cosplay por si só é uma apropriação cultural. O termo, entretanto, não é pejorativo. Visa a apropriar-se de uma cultura da qual identificamos e buscamos exaltá-la. Diferente do blackface (e até o yellowface) que busca estereotipar para ridicularizar ou satirizar. Quem faz cosplay não quer que você identifique-se com uma etnia e use esse exemplo para generalizar seu comportamento.
    O cosplay visa a transfigurar-se em uma única identidade. Pion seria a Sombra, uma mulher que por acaso é mexicana. Pion não seria uma mexicana, ela não está representando os mexicanos que hackeiam seus inimigos (?).
    Se o cosplay se resumir apenas aqueles que se parecem comigo, tenham o mesmo gênero, altura, cor da pela, cor do olho, cabelo… Eu vou de mim mesmo, não preciso fazer cosplay.

    • Thiago Almeida

      Olá, Tuan! 🙂
      Quando eu disse que o blackface foi banido me refiro a sua prática como foi concebida. Não tenho conhecimento sobre esse personagem do Paulo Gustavo, logo não posso opinar. E concordo com você que artistas negros ainda não dividem o mesmo espaço na maior importância dentro da grande industria midiática. Mas as coisas também não são mais como eram há 20, 50 ou 100 anos atrás. Estamos no meio de um processo ainda. Lento? Talvez sim, mas crio estarmos melhorando esse quadro. E gostei muito da sua colocação, acho que vale um debate mais amplo no futuro. Obrigado pelo seu feedback! 🙂

  • Bela atitude da parte dela, em deixar de fazer esse ato racista! Nós do movimento coletivo feministas anti-racistas de esquerda e da liberdade somos totalmente contra a prática do blackface, seja por quem for, e digo, se essa japoronga praticasse esse racismo, nós iriamos nos reunir e derrubar a página dela, pois com fascistas não de discute, se ataca!

    Viva la revolucíon!

  • A geração do “politicamente correto” acabando com tudo que resta, me preocupa muito mais do que a geração anterior, a dos “mimimis” esta nova geração é violenta e anda em gangue e pune as pessoas nao apenas mais verbalmente.
    Ridículo o que o ser humano se tornou.
    RESETA MUNDO

  • Fas de Bolsonaro

  • O autor do texto, provavelmente é branco e me parece despreparado para discutir o tema. Uma sugestão ao site: façam uma pesquisa e peguem a opinião da minoria qye se declarou ofendida antes de fazer esse juízo.

    Sugiro também pesquisar sobre blackface antes de alegar que “foi banida”.

    No mais força na peruca e mantenham o bom trabalho.

Trackbacks & Pings

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *